Skip to main content
Confeiteira tem demanda durante o ano todo e pode ser MEI

Confeiteira tem demanda durante o ano todo e pode ser MEI

Um bom confeiteiro tem demanda durante todo o ano. Afinal, pessoas nascem todos os dias, casam ao menos em todos os fins de semana, e têm vontade de comer bolo todos os minutos. A oportunidade de negócio ainda apresenta outro benefício, com a possibilidade do confeiteiro se registrar como microempreendedor individual (MEI).

O MEI é uma figura jurídica que existe desde 2009 para formalizar trabalhadores por conta própria. Podem faturar até R$ 81 mil por ano e pagam apenas cerca de R$ 50 para garantirem seus direitos previdenciários. A facidade permite que o empreendedor se concentre no que sabe fazer de melhor: cozinhar.

— Um bom confeiteiro precisa saber fazer uma bela de uma massa, bem macia, o recheio na medida certa, e a cobertura que combine com o recheio. E uma decoração bem feita, pois o visual também vale muito — afirma a confeiteira Serafina Checo.

O Sebrae atenta ainda que o confeiteiro que transporta seus produtos deve se preocupar em organizar a montagem do bolo, que pode ser feita até no local do evento, de forma que não seja prejudicado na ida para um casamento, por exemplo. Além de encomendas para pessoas físicas e buffets, ao formalizar-se como MEI, o confeiteiro ainda pode vender sua produção para supermercados, padarias e cantinas

Quem quiser ingressar neste ramo pode aprender a fazer bolos com a Serafina Checo na plataforma de ensino online eduK. Através do Meu Negócio Extra, parceria do jornal com a ferramenta, o leitor tem desconto no acesso: a taxa mensal cai de R$ 29,90 para R$ 19,90. São mais de 4 mil cursos disponíveis. Clique aqui para garantir o desconto.